Boas Vindas!

Seja bem vindo ao blog do Departamento de Práticas Integrativas e Complementares à Saúde Bucal da SOBRACID

Este espaço é destinado à divulgação dos eventos e cursos de aperfeiçoamento e formação em homeopatia, assim como das demais práticas integrativas.

Mantenha-se informado fazendo parte dos seguidores deste blog e participe de nossas enquetes para que nossos cursos venham corresponder as suas expectativas e necessidades.



Para conhecer um pouco mais sobre o Departamento de Práticas Integrativas e Complementares da SOBRACID, assista o vídeo de apresentação deste departamento clicando em: www.youtube.com/watch?v=tdVUr8xbk3Y

10 de nov de 2015

Resolução do CFO reconhece a Homeopatia, a Acupuntura e a Odontologia do Esporte como especialidades da Odontologia

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA
RESOLUÇÃO N 160, DE 2 DE OUTUBRO DE 2015
Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas.
O presidente do Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições regimentais, considerando as decisões da III Assembleia Nacional de Especialidades Odontológicas (ANEO), realizada nos dias 13 e 14 de outubro de 2014, em São Paulo (SP), "ad referendum" do plenário, resolve,
Art. 1º. Reconhecer a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas.
Art. 3º. A Homeopatia em Odontologia, nos seus aspectos abrangentes e humanitários, é a especialidade que tem por objetivo a prevenção, o diagnóstico, o prognóstico e o tratamento das doenças próprias da boca e suas estruturas anexas, bem como das manifestações bucais e doenças sistêmicas, assim como o diagnóstico e a prevenção de doenças sistêmicas que possam, eventualmente, interferir no tratamento odontológico e também no controle dos problemas bucais e melhoria da qualidade de vida dos pacientes, atuando de forma integrativa e complementar às demais especialidades e agindo dentro de uma estrutura transdisciplinar com outros profissionais da saúde e de áreas correlatas, utilizando-se de medicamentos homeopáticos para abraçar seus objetivos.
Parágrafo único. As áreas de competência para atuação do especialista em Homeopatia incluem:
a) todas as áreas que apresentem repercussão no sistema estomatognático, respeitando o limite de atuação do campo profissional do cirurgião-dentista;
b) todas as faixas etárias com a prática integrativa e complementar à saúde bucal;
c) procedimentos educativos e preventivos, devendo o especialista informar e educar o paciente e a comunidade sobre os procedimentos indispensáveis à manutenção do estado de saúde das estruturas bucais, utilizando-se da filosofia homeopática e, se necessário, os medicamentos homeopáticos;
d) obtenção de informações necessárias à manutenção da saúde do paciente, visando a prevenção, ao diagnóstico, ao prognóstico e ao tratamento de alterações estruturais e funcionais da cavidade bucal e das estruturas anexas;
e) realização ou solicitação de exames complementares, necessários ao esclarecimento do diagnóstico;
f) remoção cirúrgica de fragmentos de tecidos orais com o objetivo exclusivo de obtenção de medicamentos homeopáticos;
g) prevenção em todos os níveis de atenção, devendo o especialista atuar sobre os problemas relativos ao sistema estomatognático, bem como procedimentos necessários à manutenção da saúde, utilizando a filosofia homeopática e, se necessário, medicamentos homeopáticos;
h) elaboração/execução de projetos, programas e outros sistemas de ação coletiva ou de saúde pública, visando à promoção, ao restabelecimento e ao controle da saúde bucal, utilizando a filosofia homeopática; e,
i) participação em nível administrativo e operacional de equipe multiprofissional, que utilize a filosofia homeopática.

6 de abr de 2015

Gostaria que esses pseudocientistas despissem a capa do insulto gratuito a quem pratica uma profissão com mais de 200 anos.

Gostaria que esses pseudocientistas despissem a capa do insulto gratuito a quem pratica uma profissão com mais de 200 anos.
Tenho lido, visto e ouvido uns senhores que se dizem cientistas, uns médicos, outros bioquímicos e outros físicos e professores universitários, tecerem opiniões destrutivas sobre a Homeo- patia. E fazem-no com uma certeza de conhecimento da matéria e uma arrogância perante o que não conhecem que me deixa seriamente preocupado quanto aos seus motivos.
A Homeopatia é uma especialidade médica. Vem do tempo de Hipócrates. E Hipócrates, médico grego e profundo observador da natureza, no século IX a.C., concluiu filosoficamente que existem dois caminhos possíveis de obter a cura: pelos contrários (Contraria contrariis curentur) e pelos semelhantes (Similia similibus curentur).
O caminho dos contrários foi seguido, séculos mais tarde, por Galeno, e norteia a Alopatia, ou a chamada 'Medicina convencional'.

O caminho dos semelhantes foi retomado durante o período renascentista por Paracelso, que se baseou na lei dos semelhantes para desenvolver as suas pesquisas. Mais tarde, Samuel Hahnemann desenvolveu, através da experimentação em pessoas saudáveis, um método terapêutico que deu origem à medicina homeopática, segundo a qual, «o que provoca no homem que é são os sintomas da pessoa doente cura a pessoa doente».
Ou seja, o que diferencia as duas correntes de Hipócrates é o método utilizado, já que o objectivo é o mesmo, a cura.
A Homeopatia tem, ao longo dos seus mais de 200 anos, dado à ciência e à investigação científica matéria-prima de luxo para que se comprove o porquê de um efeito clínico evidente. E esse efeito clínico, por muito que se tente, ninguém consegue desmentir.
É verdade, a ciência tem tido dificuldade em demonstrar a eficácia científica dos remédios homeopáticos. Mas também é verdade que já existem inúmeros estudos randomizados, controlados, duplo-cegos que reconhecem a sua eficácia. Sugiro uma pesquisa atenta e científica, despreconceituosa e despretensiosa, aos sites da Pubmed e da BMJ (British Medical Journal), como exemplo de fontes credíveis.
Gostava que esses pseudocientistas despissem essa capa da maledicência e do insulto gratuito a profissionais, cuja profissão é praticada há mais de 200 anos e é tão-somente a segunda medicina mais utilizada no mundo, segundo a OMS. E que, apesar de denegrida e combatida ao longo dos anos, tem-se mantido firme e é cada vez mais procurada, não como uma alternativa a outras medicinas, mas sim como complementar - e eu acredito que todos juntos podemos criar uma grande medicina integrativa juntando o conhecimento e as artes de cada uma.
«O verdadeiro espírito científico, então, deveria tornar-nos modestos e bondosos. Nós, realmente, sabemos muito pouco e somos todos falíveis ao enfrentar as imensas dificuldades apresentadas na investigação dos fenómenos naturais. A melhor coisa para fazer, então, é unir os nossos esforços, ao invés de dividi-los e anulá-los em disputas pessoais». (Introdução ao Estudo da Medicina Experimental, 1865), Claude Bernard.
Dr.João Marcelo Caetano