Boas Vindas!

Seja bem vindo ao blog do Departamento de Práticas Integrativas e Complementares à Saúde Bucal da SOBRACID

Este espaço é destinado à divulgação dos eventos e cursos de aperfeiçoamento e formação em homeopatia, assim como das demais práticas integrativas.

Mantenha-se informado fazendo parte dos seguidores deste blog e participe de nossas enquetes para que nossos cursos venham corresponder as suas expectativas e necessidades.



Para conhecer um pouco mais sobre o Departamento de Práticas Integrativas e Complementares da SOBRACID, assista o vídeo de apresentação deste departamento clicando em: www.youtube.com/watch?v=tdVUr8xbk3Y

29 de jan de 2011

Ciência, Homeopatia e o Prêmio Nobel Luc Montagnier.

Autora: Amarilys de Toledo Cesar, farmacêutica homeopata 
amarilys@hncristiano.com.br 

Muitas pessoas consideram que cientistas são pessoas acima de qualquer suspeita, pois tudo o que fazem é ciência, é comprovado, está acima de dúvidas. 

Alguns sabem que nem sempre é bem assim. Que, como em qualquer outra área, há “partidos”, defesa de crenças, uso da estatística para salientar determinados resultados, e assim comprovar determinadas ideias. 

Por isto, é muito bom saber que um cientista francês, virologista e ganhador do prêmio Nobel de 2008 pela descoberta do vírus da AIDS, Luc Montagnier, aos 78 anos mantém a coragem de se expor ao que está sendo chamado de “terror intelectual”. 

Ele decidiu liderar um novo instituto de pesquisa na Universidade de Jiaotong, em Shangai, para estudar ondas eletromagnéticas que emanariam de soluções altamente diluídas de DNA de vários patógenos, conforme publicou em 2009 em 2 artigos (veja em “Electromagnetic Signals Are Produced by Aqueous NanostructuresDerived from Bacterial DNA Sequence s” Luc Montagnier, Jamal Aissa, Stéphane Ferris, Jean-Luc Montagnier, Claude Lavallee, Interdiscip Sci Comput Life Sci (2009) 1: 81-90). 

Segundo ele, a presença destes sinais poderia comprovar a origem bacteriana ou viral de diversas condições patológicas, incluindo autismo e mal de Alzheimer, sugerindo novas terapias. 

Para nós homeopatas, estes novos trabalhos nos lembram do que passou o também cientista francês Jacques Benveniste, descobridor do fator de ativação de plaquetas. 

Benveniste publicou, na revista Nature, em 1988, um artigo sobre a atividade biológica de soluções de anticorpos de imunoglobulina E, altamente diluídas até um fator 10 a centésima vigésima. 
Dizia não saber explicar como, mas que a água destas soluções parecia manter a atividade, como se ela “se lembrasse” da substância originalmente diluída. 

Isto ficou conhecido como “memória da água”, e você poderá saber mais em http://en.wikipedia.org/wiki/Jacques_Benveniste. 

Há um livro escrito por um físico e psicólogo frances, Michel Schiff, sobre este episódio, chamado “Un cas de censure dans la science”, onde o autor descreve as dificuldades impostas pela comunidade científica tradicional, repressora de novas idéias. Muito aplicável à situação que Montaigner enfrenta hoje! 

Mas voltando a Montagnier, uma das principais revistas científicas internacionais, Science, publicou no volume 330, de 24 de dezembro de 2010, uma pequena entrevista com o cientista, que é fundador e Presidente da Fundação Internacional para Prevenção e Pesquisa de AIDS. 

Confira em http://www.sciencemag.org/content/330/6012/1732.summary. 

Quando perguntado sobre o motivo de ir para a China, sua resposta é que lá ele será responsável por um novo Instituto, para trabalhar em novas áreas que compreendem a física, a biologia e a medicina. 

O principal assunto será o fenômeno das ondas eletromagnéticas produzidas pelo DNA na água; estes fenômenos serão estudados em sua base teórica e as possíveis aplicações na medicina deste conhecimento. 

Montaigner conta que há evidências de que o DNA produz mudanças estruturais na água, que persistem mesmo quando são feitas diluições muito grandes, e que levam à emissão de sinais eletromagnéticos que podem ser medidos. 

Apesar de não conseguirem medir sinais de qualquer DNA, tem certeza de que eles são provenientes de DNA de bactérias e vírus. 

Foram encontrados sinais vindos do DNA de bactérias no plasma de muitos pacientes autistas, e também na maioria dos indivíduos com doenças como Alzheimer, Parkinson e esclerose múltipla. 

Estas bactérias parecem estar no intestino, daí migrando para o plasma e causando danos ao cérebro. 

As ondas eletromagnéticas poderiam atuar como um biomarcador para detectar sua presença, mesmo quando isto não é conseguido através de técnicas clássicas como PCR - “Reação em cadeia da polimerase”. 

Para testar esta hipótese, ele quer verificar se consegue detectar DNA bacteriano em um grupo de crianças autistas, quando comparadas com outro grupo de crianças saudáveis, e tratá-las com antibióticos. 

O sinal de DNA das bactérias deveria desaparecer e suas condições clínicas deveriam melhorar. Ou seja, a ideia estará sendo testada se é útil para diagnóstico e também para tratamento. É possível também que algum tipo de ondas eletromagnéticas possa combater as ondas produzidas pelo DNA das bactérias. 

Mesmo sabendo que muitos cientistas veem com ceticismo sua proposta, ele diz que são fatos reprodutíveis, que estão sendo testados em outros laboratórios. 

Cita Benveniste, a quem chama de “moderno Galileu”, dizendo que ele estava muito à frente do seu tempo. 
Seus resultados não eram 100% reprodutíveis, e mesmo estando certo, acabou perdendo seu laboratório, seu dinheiro, em resumo, tudo. 

Eu mesma me lembro bem de que até muitos homeopatas colocaram seu trabalho em dúvida, acreditando que Benveniste havia apresentado resultados que foram provados como sendo falsos. 

Os cientistas clássicos consideravam que ele havia sido seduzido por idéias estranhas, da homeopatia. Os homeopatas desconfiavam, pois afinal, Benveniste nunca se apresentou como homeopata. Ele foi mesmo rejeitado por todos, como afirma Montagnier. 

Também Montaigner não é homeopata. Porém logo surgem as perguntas sobre esta terapêutica, uma vez que seu estudo também envolve o efeito de soluções muitíssimo diluídas, não explicado através da química clássica. 

Ele diz que, para ele, a homeopatia não está certa em tudo, mas que as altas diluições certamente apresentam efeitos. 

São estruturas de água que mimetizam as moléculas que as originaram. Ele tem conseguido medir sinais de soluções de DNA com diluições até 10 a décima oitava, onde já não há moléculas de DNA. 

Esta é a concentração de soluções denominadas, na homeopatia, de 9CH ou 18DH, aproximadamente. 

Aos 78 anos, Montaigner não pode trabalhar em seu país em institutos públicos, utilizando verbas públicas, segundo as leis francesas de aposentadoria. 

Sente, nos europeus, medo dos temas que está pesquisando. 
Classifica mesmo o sentimento de “terror intelectual”, e encontrou mais abertura nos chineses. 

Seus trabalhos preliminares foram publicados na revista Interdisciplinary Sciences: Computational Life Sciences, cujo editor-chefe também está sediado na mesma universidade, em Shangai. 

Afirma que não é pseudociência, mas sim fenômenos reais, que merecem mais estudo. 

Sinto-me muito mais feliz e segura sabendo que ainda existem cientistas realmente curiosos e que mantém o verdadeiro espírito científico vivo. 
Vida longa e sucesso a Montaigner e a seu trabalho! Artigo disponível em: . Acesso em: 28/01/2011.